Archive for the ‘Informativo’ Category

Artigo sobre o “National ePrescribing Patient Safety Initiative (NEPSI)”

10 de março de 2010

O  blog do Núcleo de Telemedicina e Telessaúde tem um artigo muito interessante sobre prescrição eletrônica que transcrevo abaixo.  O governo americano está subsidiando o uso de programas de prescrição eletrônica e interação medicamentosa, no caso o NEPSI, o que demonstra que é necessário um incentivo pois estes programas caros para serem desenvolvidos e comercializados. Abaixo está o artigo:

Erros na prescrição de medicamentos são comuns e causam um número significativo de efeitos adversos para os pacientes, como já demonstrado por diversos estudos. Nos Estados Unidos, uma iniciativa que vem tomando corpo é a National ePrescribing Patient Safety Initiative (NEPSI), um projeto conjunto de diversas organizações da área de saúde, com o objetivo de resolver a crise atual dos erros de prescrição medicamentosa. Uma das medidas defendidas pela NEPSI é a adoção ampla e universal de sistemas de prescrição eletrônica, visando combater aqueles erros potencialmente preveníveis que ocorrem durante o processo de prescrição. A (ambiciosa) meta da NEPSI é fazer com que TODOS os médicos dos Estados Unidos obtenham (e utilizem) a um software de prescrição gratuito e de qualidade.

A prescrição eletrônica é uma ferramenta cada vez mais utilizada nos serviços de saúde de vários níveis de complexidade, que apresenta várias vantagens. Um exemplo é a elminação das prescrições ilegíveis – a famosa “letra de médico”, que gera tanta dor de cabeça aos profissionais da enfermagem e da farmácia. Além disso, o uso de sistemas informatizados de prescrição de medicamentos, se associado a bancos de dados e calculadoras específicas, possibilita que o médico receba instantaneamente avisos úteis sobre interações medicamentosas, ajustes de dose na insuficiência renal, dosagens pediátricas etc., permitindo maior segurança ao paciente.

No entanto, os softwares existentes ainda têm suas limitações, e podem inclusive gerar novas categorias de erros, inexistentes nas prescrições feitas manualmente, razão pela qual ainda precisam de alguns melhoramentos para que possam efetivamente aumentar a segurança dos pacientes.

A página da NEPSI na internet permite o download grátis de um software de prescrição, mediante o preenchimento de um cadastro online pelo próprio profissional de saúde.

Anúncios

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) aprova criação de prontuário eletrônico

7 de março de 2010

O Blog Tecnologia da Informação e Medicina citou um artigo sobre uma discussão no Senado sobre a informatização do SUS que inclui o uso do Prontuário Eletrônico acessado pela Internet e o cadastro único dos pacientes.

Link da matéria original

COMISSÕES / Informática 03/03/2010 – 11h43 CCT aprova criação de prontuário eletrônico Os usuários de serviços de saúde de todo o país passarão a contar com um prontuário eletrônico, segundo determina o Projeto de Lei do Senado 474/08, de autoria da então senadora Roseana Sarney, que recebeu nesta quarta-feira (3) parecer favorável da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT). O projeto será ainda apreciado, em decisão terminativa, pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

O projeto modifica a Lei 8.080/90, que regulamenta o Sistema Único de Saúde (SUS), para incluir um novo título, referente à informatização de todo o sistema. Segundo o projeto, será criado um cadastro único nacional de usuários, de profissionais de saúde e de unidades de saúde, que abrangerá todos os cidadãos brasileiros, todos os profissionais do setor que atuem no país e os serviços de saúde públicos e privados. Cada cadastrado terá um número nacional de identificação.

Ainda de acordo com o projeto, o SUS desenvolverá e certificará, diretamente ou por meio de terceiros, um sistema de prontuário eletrônico do paciente, que deverá estar acessível ininterruptamente pela internet. O prontuário deverá ainda ser protegido por meio de sistema de criptografia e de segurança de acesso, para assegurar a privacidade e a confidencialidade das informações sobre a saúde dos usuários.

– Estamos aprovando a portabilidade do prontuário – celebrou o relator do projeto na CCT, senador Wellington Salgado (PMDB-MG). Ele observou que o novo prontuário eletrônico permitirá imediatamente a um médico obter o histórico do paciente que estiver à sua frente, mesmo que o veja pela primeira vez.

O projeto foi unanimemente aprovado pela comissão. Ao elogiar a proposta, o senador Roberto Cavalcanti (PRB-PB) lembrou que os usuários de serviços de saúde sabem “como é importante resgatar a história do paciente”.

O senador Cícero Lucena (PSDB-PB) recorreu à sua experiência como prefeito de João Pessoa para ressaltar a importância da informatização dos serviços de saúde. Durante sua gestão, relatou, cada um dos 900 agentes de saúde da prefeitura contava com um palmtop (pequeno computador de mão), por meio do qual alimentava com informações o prontuário de cada beneficiado pelo programa de saúde da família.

O senador Papaléo Paes (PSDB-AP) também mencionou sua experiência como secretário de Saúde do Amapá para elogiar a criação do prontuário eletrônico. Em sua opinião, a medida facilitará o trabalho dos médicos e permitirá um atendimento melhor aos pacientes, mesmo que estes se encontrem fora dos lugares onde moram.

– O paciente se sentirá mais seguro em qualquer lugar do país – previu Papaléo.

O presidente da comissão, senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), defendeu a ampliação dos serviços de saúde a distância, especialmente nas áreas mais remotas e menos favorecidas do país. Por meio das tecnologias de informação, observou o senador, um médico generalista do interior pode contar com o apoio de um especialista localizado em um grande centro, para auxiliá-lo no diagnóstico e no tratamento de seus pacientes.

Audiências

A CCT aprovou também requerimento do senador Renato Casagrande (PSB-ES), que solicita a participação da comissão em uma audiência pública conjunta a respeito do Programa Nacional dos Direitos Humanos. Para essa audiência, foi convidado o ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria Nacional de Direitos Humanos.

Foi igualmente aprovado requerimento dos senadores Eduardo Azeredo (PSDB-MG) e Roberto Cavalcanti, para incluir a participação do ministro Franklin Martins, da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, em audiência pública sobre o Programa Nacional de Banda Larga, prevista para a próxima semana.

Marcos Magalhães / Agência Senado

X Workshop de Informática Médica – WIM’2010

12 de janeiro de 2010
O X Workshop de Informática Médica (WIM´2010) tem como objetivo reunir, no âmbito da Sociedade Brasileira de Computação (SBC), pesquisadores, estudantes, professores, empresários e profissionais interessados em Computação aplicada na área da Saúde. O WIM é o evento anual oficial da Comissão Especial de Computação Aplicada em Saúde (CE-CAS) da SBC.

O WIM´2010 será realizado como parte dos eventos do XXX Congresso da Sociedade Brasileira de Computação (CSBC), programado para ocorrer em Belo Horizonte, Minas Gerais, de 20 a 23 de julho de 2010. Neste ano o grande tema do Congresso é “Computação Verde: Desafios Científicos e Tecnológicos”. Nesse sentido, pode-se pensar, propor e experimentar pesquisas sobre as relações entre saúde, natureza e computação, enfim, aplicar a computação na área da saúde sem agredir o meio ambiente.

Algumas vezes, a computação pode ser vista como uma solução para a sustentabilidade do meio ambiente. As inovações tecnológicas para o armazenamento de imagens, por exemplo, colaboram com a diminuição de resíduos nocivos ao meio ambiente.

As atividades no WIM compreendem apresentação de artigos completos (trabalhos com resultados efetivos) e artigos resumidos (trabalhos em andamento), além de palestras convidadas e mesas-redondas. Durante o WIM ocorre também a reunião da Plenária da Comissão Especial de Computação Aplicada a Saúde (CE-CAS), momento em que os membros da comunidade podem opinar, sugerir e participar das atividades e discussões da Comissão Especial de Computação Aplicada a Saúde (CE-CAS), contribuindo com o crescimento desta área de pesquisa no país.

Chamada de Trabalhos

Convidamos autores da área a submeter artigos técnicos sobre pesquisa relacionada à Computação Aplicada à Saúde e/ou Informática Médica. A lista não exaustiva de tópicos de interesse associados às áreas de saúde inclui:

  • Processamento de Imagens e Sinais
  • Realidade Virtual Aplicada a Saúde
  • Bioinformática
  • Telemedicina e Telessaúde
  • Sistemas de Informação em Saúde e PACS
  • Registro Eletrônico do Paciente
  • Sistemas de Apoio a Decisão em Saúde
  • Inteligência Artificial Aplicada a Saúde
  • Qualidade do Software Médico
  • Engenharia de Software aplicada a Saúde
  • Ontologias em Saúde
  • Computação Aplicada a Educação em Saúde
Os artigos são julgados por uma comissão formada por profissionais, pesquisadores e professores envolvidos com as áreas mencionadas. São aceitas submissões de dois tipos de trabalhos:

– Artigo Completo – trabalhos concluídos sobre pesquisas realizadas em um dos tópicos de interesse ou em outros tópicos relacionados a aplicações computacionais nas áreas da saúde. Esses trabalhos terão umlimite de até 10 páginas;
– Artigo Resumido – trabalhos ainda não concluídos, mas já com idéias relevantes a serem discutidas e resultados preliminares. Esses trabalhos terão um limite de até 4 páginas.

Deve ser utilizado o formato definido pela SBC – Sociedade Brasileira de Computação (http://www.sbc.org.br/template).Porém, os artigos submetidos devem ser ANÔNIMOS, não contendo nomes, endereços, referências, ou outras informações que possam identificar seus autores. Todos os artigos devem estar no formato PDF e poderão ser submetidos em português, espanhol ou inglês.

O WIM’2010 vai premiar o melhor artigo em cada uma das categorias: Artigo Completo e Artigo Resumido.

Prazos Importantes:
Prazo final para a submissão de artigos: 8 de março de 2010
Notificação de aceitação: 19 de abril de 2010
Entrega da versão final: 17 de maio de 2010

A submissão será realizada através do sistema JEMS: http://submissoes.sbc.org.br
Organização:
Márcia Ito (LaPCiS/POS-CEETEPS) (Coordenadora Geral)
Alessandra A. Macedo (FFCLRP/USP) (Coordenadora do Comitê de Programa)
Steering Committee
Alessandra Alaniz Macedo – FFCLRP/USP
Artur Ziviani – LNCC
Claudio Giulliano Alves da Costa – SBIS
Fátima L. S. Nunes – EACH-USP
Lourdes Mattos Brasil – UCB
Márcia Ito – LaPCiS/POS-CEETEPS
Rosa Maria E. Moreira da Costa – UERJ
Saulo Bortolon – UFES

Comitê de Programa
(em formação)

Outras informações podem ser solicitadas no contato:
winfomedica2010@gmail.com
Fonte: Prof.Dr. Renato M.E. Sabbatini
Email do editor: rsabbatini@yahoo.com
SBISNews

Informativo – GIL de Cara Nova

17 de agosto de 2009

Informativo DAB 2009 Dia 11/08/2009

GIL de cara nova

Foi encerrado, nesta semana, o projeto piloto para testes das novas ferramentas a serem disponibilizadas aos municípios
O Departamento de Atenção Básica (DAB) e o DATASUS fizeram uma parceria para adaptar o Gerenciador de Informações Locais, mais comumente conhecido por GIL, a fim de atender algumas necessidades de gestão da Atenção Primária à Saúde nos municípios.
O sistema, com acesso liberado desde 2003, está na versão 4.0.16 e encontra-se disponível no site do DATASUS http://gil.datasus.gov.br/w3c/gil.php. Adaptado para aceitar os procedimentos ambulatoriais e hospitalares, a versão atual aceita somente procedimentos com a modalidade ambulatorial.
Com o remodelamento, o sistema – modificações nos formulários de coletas de dados dos agentes comunitários de saúde (ACS) e nos atendimentos realizados nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) – possibilitará não só a identificação de usuários em situação de risco, mas também uma melhor interação entre os diferentes sistemas disponibilizados pelo Ministério da Saúde.
A novidade do GIL está na sua finalidade. Antes, as ferramentas visavam à coleta de dados direcionada, principalmente, à gestão financeira das UBS. A partir de agora, o sistema será capaz de cadastrar os usuários no CADSUS (aplicativo de cadastro e manutenção de Usuários do Sistema Único de Saúde e seus domicílios de residência); gerar um Cartão Nacional de Saúde (CNS) provisório; analisar o trabalho dos agentes comunitários de saúde; e possibilitar novos tipos de cruzamento de dados a fim de apoiar decisões governamentais e políticas públicas.
Para tanto, foi estruturado um projeto piloto com duração de dois meses nos municípios de Santa Luzia de Itaim, em Sergipe, e de Maracanaú, no Ceará. As equipes da Saúde da Família que participaram do projeto foram ouvidas em todas as fases do projeto, desde a sua concepção até a avaliação do novo sistema, trazendo todas as dificuldades encontradas para os técnicos envolvidos no projeto.
O mês de agosto será destinado à avaliação do projeto piloto. Em breve, cada município poderá fazer download da ferramenta e continuar a usá-la de forma autônoma.
Com o trabalho compartilhado entre a ponta e os técnicos do DAB e do DATASUS, o novo GIL atenderá, de fato, às necessidades gerenciais das equipes Saúde da Família, possibilitando a geração de novos indicadores e revolucionando o trabalho nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).