Archive for the ‘Prontuário Eletrônico’ Category

Os melhores Prontuários Eletrônicos

29 de abril de 2013

Há vários meses atrás, um post no grupo da SBIS no facebook (http://www.facebook.com/groups/160121100777/) indicou uma pesquisa sobre os prontuários eletrônicos americanos : EHR Report 2012: Physicians Rank Top EHRs. Os slides estão disponíveis no link: http://www.medscape.com/features/slideshow/EHR2012?src=ptalk#1 (o link só funciona clicando no facebook – a data do post é de 30 de novembro de 2012).

A pesquisa incluía 17 prontuários eletrônicos pontuados de 0 a 5. O melhor atingiu nota geral 4,22 e o pior 2,81. Os critérios de qualidade incluem facilidade de aprender, facilidade de entrar dados, intuitivo, implementação, confiabilidade, apoio, custo, satisfação da chefia, aparência do produto. A imagem abaixo lista os prontuários e suas pontuações.

EHRreport

O Youtube tem vários vídeos de tutoriais dos Prontuários Eletrônicos citados. Tentei dar uma conferida no que os melhores tem em comum para tentar encontrar um padrão. Dois itens me chamaram a atenção: ferramentas de entrada de dados e meios de apoio a decisão.

Na imagem abaixo, o vídeo do Practice Fusion mostra como o usuário pode preencher uma anamnese clicando em peças de textos prontos. Primeiro o usuário tem que escolher qual problema o paciente tem e a lista de perguntas mais frequentes sobre aquele problema fica disponível. O processo é chamado de “povoar”. Os Prontuários disponibilizam um editor para o usuário criar suas listas de entrada de dados e até disponibilizar para outros usuários.

practic

Na imagem abaixo, o vídeo do Amazing Chart mostra a ferramenta Dragon NaturalSpeaking Medical. A ferramenta traduz o que o médico está falando em texto, fazendo a edição de anamnese e exame físico ficar bem mais rápida.

amazing1dragon

Outra ferramenta disponível no Amazing Chart é uma página sobre apoio a decisão. A página tem duas ferramentas: o “5 minute Clinical Consult (5MCC)” e um link para busca o “up-to-date”. Tenho os dois disponíveis, mas o up-to-date é mais demorado para usar.

amazing1mc

A entrada de dados é um ponto fraco de todo Prontuário Eletrônico, e um problema para os médicos em geral. A pesquisa sugere que estes itens são importantes.

Facebook no Prontuário Eletrônico

14 de fevereiro de 2013

Imagine um prontuário eletrônico que mostra a foto de um paciente. É uma situação muito comum e geralmente a foto é tirada na hora com uma webcam. Um problema que logo irá ocorrer é a foto não ficar boa. O facebook passa a ser uma boa solução para o problema pois é um lugar onde se encontra fotos que o paciente já selecionou e considera boas. Então seria interessante que o Prontuário Eletrônico tivesse uma ferramenta para encontrar a página do facebook do paciente automaticamente e indicar as fotos para o médico escolher.

A interface abaixo é uma montagem com a interface do OpenVista. Coloquei o símbolo do facebook no cabeçalho indicando que o prontuário tem ferramentas que permitem ligar os dois softwares. O médico clicaria e iria direto para o facebook do paciente dar uma bisbilhotada. Aproveitei e coloquei os símbolos do twitter e google + (clique na foto para aumentar o tamanho).

openvistaface

O exemplo acima é apenas um exemplo de como uma rede social pode ser suada durante a consulta médica. A outra é o médico ver o facebook do paciente antes do atendimento. Pode indicar algumas informações que poderão ser úteis durante a consulta, pelo menos em questões relacionadas com o relacionamento médico-paciente.

O endereço do paciente também costuma estar disponível no Prontuário Eletrônico. Uma outra ferramenta permitira clicar no endereço e ir direto para o Google Street e visualizar a casa do paciente. O médico de família também considera a casa do paciente como um local de trabalho. No PSF não é possível ir visitar todas as casas da área de abrangência, mas o Google Street é uma ferramenta simples que permite visualizar a frente da casa.

752 da Vulcabrás

13 de janeiro de 2013

Não costumo copiar posts de outros sites ou blogs, mas acho que esse vale a pena. Trata-se de um comentario do Gustavo Gusso sobre o prontuário eletrônico que será disponibilizado pelo DAB para as equipes do PSF:
http://gustavogusso.blogspot.com.br/2013/01/dab-esta-prestes-lancar-o-752-da.html

Test Drive do SmartDoctor – terceira parte

11 de dezembro de 2012

Terminando o test drive do SmartDoctor, o Smartdoctor apresenta uma solução para facilitar a entrada de dados de forma estruturada, ou pelo menos automatizando parte do atendimento. No inicio da consulta, o profissional escolhe um tipo de procedimento que irá seguir.

A interface abaixo mostra como os formulários são mostrados na aba de “registros clínicos”. Estão organizados pela data em que foram usados (consulta inicial, consulta subsequente, consulta de cardiologia etc), assim como o autor (clique nas imagens para ampliar).

smd registros clinicos

A interface abaixo mostra a interface onde se escolhe o formulário que será usado após escolher o paciente que será atendido na interface da agenda.

sda cadastro 3 procedimento

As interfaces abaixo são do formulário de cardiologia. Inclui uma escala de Framinghan. A senha de administrador que me foi disponibilizada não permitia preencher formulários novos para testar com mais detalhes.

sda consulta inicial cardiologia

sda consulta inicial cardiologia3

O formulário de “consulta inicial de pediatria” inclui a opção de mostrar os dados graficamente como mostra a interface abaixo.

smd crescimento

O Smartdoctor tem funcionalidades que permitem cadastrar uma série de itens como listado na interface abaixo.

sda cadastro 1

A interface abaixo mostra a edição do cadastro de uma medicação.

sda cadastro bulario

Uma configuração que senti falta foi a de impressão dos formulários. Para imprimir, os dados são enviados para o Acrobat Reader para ver o preview e depois pede para imprimir. Existem prontuários eletrônicos que permitem imprimir direto, sem ver o preview, sendo bem mais rápido. Então a configuração tinha que ter opção imprimir com ou sem preview para cada módulo ou funcionalidade que usa recurso de impressão.

Adaptação para a Atenção Primária

O Smartdoctor ainda precisa de algumas funcionalidades para ser bem aceito na Atenção Primária.

– Ferramentas de abordagem familiar como o Genograma e PRACTICE.

– Um sistema de informação para a APS tem que ser bem poderoso, disponibilizando dados e relatórios para a gestão e para as equipes do PSF. Não encontrei nenhuma ferramenta parecida no Smartdoctor.

– Módulos para outros membros da equipe como o enfermeiro e a odontologia.

– O módulo de cadastro tem que ser adaptado para situações específicas do SUS. Por exemplo, ao cadastrar uma medicação, seria necessário indicar se está disponível na farmácia do SUS, farmácia popular, particular etc, e depois ser mostrado para o profissional.

– A ficha de produção no PSF é diferente da TISS usada no Smartdoctor.

Test Drive do SmartDoctor – segunda parte

19 de novembro de 2012

Na primeira parte do test drive do SmartDoctor foi sobre as funcionalidades da tela inicial e a agenda. Esta parte será sobre o prontuário médico.

Para ir direto no prontuário do paciente não precisa passar pela agenda. Clica na aba “prontuário” e a primeira tela que aparece é a busca do paciente. É um recurso muito usado no PSF, seja por falta de agenda eletrônica, ou pela forma de trabalho, ou encaixes de pacientes extras (clique nas imagens para ampliar).

A tela inicial mostra a foto do paciente e dados do cadastro. No PSF considero o endereço e o nome do ACS responsável pela microárea do paciente seria mais importante que os dados clínicos mostrados, como peso e IMC (1). Só olhando para o paciente sentado na frente já dá para saber se é obeso ou não. A tela inicial também mostra uma lista de problemas (2) e lembretes (3). São recursos que eu uso muito. Existe um histórico que aparece em um PDF após clicar, mas no exemplo estava vazio.

Clicando em registro clínico, aparece uma lista de encontros que a paciente teve com vários serviços de saúde que usam o SmartDoctor. Cada encontro irá listar os módulos que foram usados pelo profissional. Coloquei um exemplo indicado pela seta para exemplificar (na tela original aparece como sendo uma janela popup).

Um menu “adicionar” permite escolher os módulos mais usados (exames, prescrição e exames). O menu “filtrar por..” permite escolher entre uma lista de módulos já pedidos. Coloquei os dois menus na mesma interface abaixo.

Uma funcionalidade que sinto falta é salvar documentos digitalizados no prontuário eletrônico. O SmartDoctor tem esta opção. Na opção “adicionar arquivos” faltou a opção de capturar imagem direto de uma webcam.

Outras abas permitem visualizar as prescrições anteriores. Não consegui prescrever medicações para ver como ficariam salvas depois. A interface abaixo mostra como é o módulo de prescrição dos protocolos. O medicamento pode ser pedido por busca, como na interface abaixo, com favoritos (mais usados) e de forma não estruturada (na aba “avulsa”). Clicando na estrela (1) é possível indicar a medicação como sendo uma favorita.

A aba “exames” permite ver a lista de exames pedidos e o resultado. Um menu flutuante (1) permite entrar os resultados dos exames, imprimir, cancelar pedidos e duplicar (repetir o pedido). Essa ferramenta duplicar costuma ser muito bem vinda pelos médicos. No prontuário eletrônico que eu atualmente falta esta opção no módulo de laboratório e agilizaria bastante os pedidos de exames.

Ainda no módulo exames, clicando em “planilha de resultados”, é possível ver os resultados na forma de planilha. A planilha mostra os exames e as datas em que foram pedidos, facilitando analisar exames pedidos em série. Um filtro permite analisar períodos menores. Marcando um exame e clicando em “gráficos” aparece os resultados no formato gráfico, facilitando ainda mais a análise dos dados. Coloquei a janela dos gráficos junto com a tabela para simplificar.

A aba “textos” permite usar formulários como atestados e relatórios. O recurso não foi estruturado, sendo necessário baixar o arquivo, clicar para abrir em um editor de texto fora do programa (1) e depois editar os dados. Um formulário estruturado automatizaria os recursos, sendo bem mais rápido para usar. O prontuário que uso atualmente lista os relatórios que já foram pedidos, com data e responsável.

A interface abaixo mostra o texto de “atestado médico” em um editor de texto. O texto foi gerado já com o nome da paciente e a data, mas é necessário editar o CID e os dias de atestado.

A aba “diagnósticos” permite entrar o código CID de uma doença. Clicando em “prioridade”, na janela pop up para busca do CID, é possível escolher a prioridade e se for alta prioridade irá aparecer na lista de problemas no inicio dos dados clínicos. Ao procurar a palavra “asma” apareceu também “toxoplASMA”. 

Teste Drive do Smartdoctor

28 de outubro de 2012

Tive acesso a mais um Prontuário Eletrônico para fazer um test drive. Dessa vez foi o SmartDoctor da Medicsul:
http://medicsul.com.br/

O programa é modular, permitindo escolher os módulos conforme o local onde se trabalha. Tive acesso ao Smartclin para consultórios. O Smartclin é um sistema web ou stand alone (instalado no computador), mas não os dois ao mesmo tempo. Foi certificado pela SBIS o que significa que não precisa imprimir os prontuários em papel.

O teste drive considera que seria usado no PSF/SUS e se seria melhor que o prontuário eletrônico que estou usando atualmente. A senha disponibilizada era de administrador e não permitia “consultar” pacientes como se fosse um médico, sendo uma limitação do teste.

Sempre inicio o teste sem acessar os manuais. Se conseguir usar os módulos rapidamente então o programa tem uma boa usabilidade. Nesse requisito a nota fica próxima de dez pois foi muito fácil encontrar um paciente (de teste, e era a cantora Madona) e usar os módulos. Os botões e abas (chamam de orelhas) ficam bem próximas uma das outras e em sequência. No geral o sistema é bem intuitivo.

Tela inicial

O menu da barra da esquerda está sempre visível e não muda. Na parte superior tem ícones para logout, emissor de relatório, caixa de correio, tabela de procedimentos, busca de CID, e ajuda online. As orelhas verdes também são fixas, mostrando módulos principais de agenda, prontuário, faturamento e cadastros.A interface abaixo mostra quem está usando (usei login de ADM1 ). Clique nas imagens para aumentar de tamanho.

A parte central mostra notícias e é possível cadastrar as notícias (ícone no canto superior direito). Fico imaginando como seria útil no SUS visto que o programa que uso costuma mudar e não dão aviso nenhum. Nem mesmo é possível enviar mensagens de erro no sistema, a não ser pelo técnico de informática que vai na unidade uma vez por semana.

A funcionalidade de atalhos rápidos deve ser um recurso interessante, mas não consegui usar, assim como trocar mensagens. O módulo de mensagem mostra a caixa de entrada (estava vazia). Cliquei em nova mensagem e escolhi os destinatários para ver o que aparece. Arranjei as caixas para ficarem mais visíveis.

A busca de CID não tem minha opção preferida que é escolher direto pelas letras/especialidade. Fica mais fácil procurar pela especialidade (J para pneumologia por exemplo) pois nem sempre se encontra o termo de busca escolhido. Também faltou a opção do CIAP2 e um tesaurus para usar os dois ao mesmo tempo.

A ajuda online é bem simples. Com boa usabilidade ficou bem fácil criar os vídeos tutoriais e são bem rápidos.

Agenda

O primeiro passo ao usar um prontuário eletrônico é cadastrar o paciente. Já na barra da esquerda do smartdoctor existe um atalho para “novo paciente”, além de listar os pacientes já atendidos (eu costumo usar relativamente muito esta lista).

O cadastro parece bem completo, baseado no cadastro do SUS (CADSUS). No canto superior esquerdo tem o histórico das mudanças no cadastro. Tem espaço para o número do cartão SUS, mas imagino que o número será gerado em outro local ou programa.

A agenda parece ter todas as funcionalidades necessárias. O módulo que vi parece ser o mesmo do pessoal da recepção (lembrar que estou usando login de admin e não de médico). É possível escolher a especialidade, o profissional e o local de trabalho (1). Depois aparece uma visão geral da agenda do médico (2). Nunca tinha visto antes uma função de lembrete na agenda (3). A lista de horário parece ser como outras agendas de outros prontuários (4). O calendário também é padrão como em outras agendas (5). No rodapé existe uma opção de adicionar paciente extra (6), muito usado no PSF, e uma lista de espera (7) que não entendi como funciona.

A foto do paciente é muito bem vinda. A agenda não mostra a foto do paciente, mas passando o mouse em cima do nome do paciente é possível ver a foto.

Entrar um paciente na agenda foi bem simples. Cliquei no horário disponível e aparece um menu de busca. As opções eram várias como o nome do paciente (não precisa digitar tudo), documentos, nome da mãe, telefone, data de nascimento etc. Tem o número do prontuário, bem menor que o número do cartão SUS, mas não tem o número do cartão SUS (cartão nacional de saúde – CNS). O número do prontuário é mais útil que o CNS pois a maioria dos municípios tem bem menos de 20 mil habitantes. Então o teria no máximo seis números enquanto o cartão nacional de saúde tem 15 números.

Depois de escolhido o paciente vem a confirmação do agendamento. É obrigatório escolher o procedimento e a tabela é bem grande. Serão abordados depois pois imagino que sejam protocolos ou dados estatísticos. Espero que tenha algum tipo de “favorito” para escolher os itens mais usados para cada médico. Alguns fazem sentido como consulta subsequente, ou primeira consulta, mas a maioria não tem sentido no PSF.

Clicando com o botão esquerdo do mouse sobre o nome da paciente aparece um menu para novas funcionalidades como remarcar, registrar chegada, cadastro etc. No final da lista, cliquei em prontuário para iniciar o atendimento.

Continua….

Apresentações do VI Seminário Internacional da Atenção Básica

18 de setembro de 2012

Está disponível do site do DAB as apresentações do VI Seminário Internacional da Atenção Básica. As apresentações incluem a do Infosaúde, o prontuário que o DAB irá disponibilizar gratuitamente para o PSF.

Link da apresentação com mais interfaces :
http://189.28.128.100/dab/docs/6seminario/temas_simultaneos/31/sala8/6_cristina.pdf

Link para outras apresentações :
http://dab.saude.gov.br/sistemas/6seminariointernacional/apresentacao.php

Carta SUS digital

4 de setembro de 2012

No último domingo o Fantástico mostrou uma reportagem sobre fraudes no SUS:
http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1681664-15605,00.html

Foi citado também fraudes com a Farmácia Popular. Foi citado que o Departamento de Assistência Farmacêutica tem doze funcionários sendo três para conferir documentação da Farmácia Popular.

No site do ministério é possível ver um software de assistência farmacêutica chamado HÓRUS – Sistema Nacional de Gestão da Assistência Farmacêutica :
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1675

Uma olhada rápida permite perceber que não foi criado para ser usados nos serviços privados que atuam com os medicamentos da Farmácia Popular. O diretor do DAB citou no Twitter que uma solução será o Sistema Farmácia Popular, mas não encontrei nada no google. Também citou a Carta SUS que é enviada ao paciente para conferir sobre internações. A reportagem cita pacientes que foram questionados sobre internações, mas citam apenas atendimento ambulatorial.

Os gastos com a Farmácia Popular em 2013 está estimado em R$ 2 bilhões. Supondo 10% desviado para fraudes, cerca de R$ 200 milhões, dá e sobra para criar softwares para distribuir para as farmácias (dispensação dos medicamentos), médicos (prontuário eletrônico) e pacientes (prontuário pessoal de saúde) para fazer auditoria eletrônica. A economia com a diminuição das fraudes poderia viabilizar facilmente toda a informatização do SUS.

A interface abaixo é do Facebook com um mock-up da CartaSUS digital. Claro que só o paciente veria o conteúdo da carta. Após comprar um medicamento, a Farmácia colocaria os dados no computador. Com o número do Cartão Nacional de Saúde do paciente seria enviado automaticamente a mensagem para o Facebook do paciente, caso o paciente use o sistema. A ferramenta faria parte de um Prontuário Pessoal de Saúde.

Clique na Imagem para ampliar

O prontuário eletrônico, pelo menos os usados pelos médicos do SUS, permitiria indicar se a medicação foi prescrita e evitar que seja fornecida várias vezes ou em vários estabelecimentos.

A limitação da Carta SUS digital é o acesso dos pacientes a informática, mas um tablet dos Agentes Comunitários de Saúde faria a mesma função assim como o atendimento informatizado feito pelas Enfermeiras antes da consulta com o médico.

SISREG – Sistema de Regulação

21 de agosto de 2012

A regulação, ou o controle do acesso aos serviços de assistência a saúde, como consultas com os médicos especialistas, é um dos gargalos para o bom funcionamento do SUS. O SISREG, Sistema Nacional de Regulação, seria a ferramenta informatizada para controlar o sistema. Quem se interessar em conhecer e tentar entender como funciona é só ir ao link:
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=36608&janela=2

Em uma discussão na lista de discussão da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), o assunto foi posto como o centro da implantação do prontuário eletrônico. O link da lista é : http://groups.google.com/group/sbmfc?hl=pt-BR

Um SISREG com banco de dados nacional contaria com um identificador único do paciente que é o Cartão Nacional de Saúde. No caso da regulação, imagino que seria necessário um banco de dados nacional. Com o cartão nacional de saúde é possível ter um identificador único. Com a data do pedido e a especialidade já passa a ser possível transferir o pedido com o paciente mudando de cidade.

Um problema que o SISREG tem que resolver é a questão dos pacientes que consultam em várias cidades para ver em qual sai a consulta primeiro com o especialista ou consultam com vários especialistas para ter uma segunda opinião. O resultado é sobrecarregar o sistema. Com um banco de dados único vai ter que escolher um só lugar, com a diminuição da fila de espera.

O prontuário eletrônico pode guardar a lista de encaminhamentos para cada paciente ao trocar dados com o SISREG. O “mock-up” abaixo é um exemplo do ponto de vista do médico.

Em “1” seria a lista de problemas do paciente, no caso do prontuário orientado para o problema. Em “2” estão os problemas que tem pedidos de encaminhamento para o especialista. No caso foi pedido para mostrar “todos” os pedidos, mas o filtro pode ser por problemas como os encaminhamentos para asma, hipertensão etc.

Em “3” estão os dados dos encaminhamentos. A tabela mostra os encaminhamentos pedidos, ainda na fila de espera. As informações incluem quem pediu, quando e onde, dados clínicos e prioridade. Indicar a previsão da consulta seria interessante.

A lista de consultas agendadas permite fazer busca ativa para garantir que o paciente não falhe a consulta, o que é um problema comum. A lista de consultas realizadas pode ter um link para os dados clínicos com os dados entrados pelo especialista. A lista de consultas canceladas ou que o paciente faltou deve ser de conhecimento do paciente e que o médico tem acesso a estas informações.

A tabela foi criada a partir dos problemas. Junto com as informações de vários pacientes pode ser criada uma tabela semelhante com os dados da micro-área ou de toda a área de atuação. Um módulo de relatórios criaria um condensado das informações para ser usado no nível de unidade de saúde, distrito ou município. Dados ainda mais condensados podem ser usados a nível estadual ou nacional.

O nível de detalhes varia com o usuário das informações. A equipe trabalha com nome, dados clínicos etc. O gestor trabalha com números para planejar a contratação de profissionais ou pensar em alternativas como educação continuada para capacitar os profissionais da APS/PSF em resolver problemas simples que não deveriam estar sendo encaminhados aos especialistas.

Informática Médica no VI Seminário Internacional da Atenção Básica

13 de agosto de 2012

Foi realizado nos dias 30 de julho a 01 de agosto, o VI Seminário Internacional da Atenção Básica no Rio de Janeiro. O seminário teve duas mesas relacionadas com a informática médica: prontuário eletrônico e registro eletrônico.

Foi mostrado o prontuário eletrônico que será oferecido gratuitamente pelo Departamento da Atenção Básica. Será o Infosaúde já em uso em Florianópolis. As imagens abaixo são da versão antiga. A nova será baseada no registro médico orientado para o paciente.

As imagens da nova versão estará disponível no site do seminário. Todas as apresentações serão colocadas no site:
http://dab.saude.gov.br/sistemas/6seminariointernacional/programacao.php